Filipe Vieira: "Não há, nem nunca haverá corrupção no Benfica"

10 de Novembro de 2017 | por Público
Filipe Vieira:

Luís Filipe Vieira foi bem claro, nesta quinta-feira, numa entrevista à Benfica TV, sobre o chamado caso dos “emails”, em que o clube “encarnado” é acusado por responsáveis do FC Porto de corromper árbitros de futebol. “Não há nem nunca haverá corrupção no Benfica. O que há é que há seis meses foi cometido um crime no Benfica e tem sido repetedido semanalmente. Não estávamos preparados para um determinado crime organizado. Nem pensávamos que fosse possível suceder. Mas não estou preocupado com nenhum email”, afirmou.

Apontando o dedo ao FC Porto, o líder benfiquista acusou os “dragões” de condicionarem a arbitragem. “Alguém tentou e tem conseguido intimidar, criar medo. No jogo com o Desportivo das Aves tivemos quatro capangas atrás de nós”, acrescentou. Vieira declarou ainda que o Benfica está satisfeito com as buscas de que foi alvo neste processo: “Para nós foi muito importante que houvesse a investigação que houve. Não está lá nada a condicionar ou a prometer o que quer que seja. Não fugi para fora do país. O que pedimos à justiça é que seja célere.”

Vieira jogou também ao ataque. “Alguém neste país não oferece bilhetes a qualquer instituição? Há alguém que possa dizer o contrário? Agora, garanto-lhe que não pagamos viagens para o Brasil. Não está lá chocolate com leite. Se eles [FC Porto] tivessem alguma prova, iam com aqueles documentos todos ao ministério público”, acrescentou.

E sem se deter continuou: "Hoje, há um clube em Portugal que não ganha um campeonato há 15 anos e outro que estava habituado a ganhar e não o fez nos últimos quatro anos...Se estes clubes não ganham campeonatos, o que será deles? O que será daquela direcção do FC Porto cinco anos sem ganhar? Eu nunca entrei no balneário de um árbitro, nem fui ao túnel no intervalo quando o Benfica estava a perder ou empatar. Nunca mudei o meu balneário para ficar ao lado dos árbitros. Investigue-se quem mudou o balneário..."

Sobre Pedro Proença, presidente da Liga de Clubes, foi duro. "O Pedro não pode elogiar a estrutura do Benfica à minha frente e depois ficar calado quando o Benfica é enxovalhado desta maneira", disse depois de o ter elogiado por ele lhe ter enviado uma mensagem de apoio após as buscas da Polícia Judiciária no clube e na casa de Vieira.

O líder das "águias" lançou ainda o repto aos árbitros para que divulguem publicamente as ameaças de que serão, alegadamente, alvos e acusou o Conselho de Arbitragem de se deixar condicionar, ao não nomear certos árbitros para jogos do Benfica: "O Fábio Veríssimo não apita o Benfica porquê? O João Pinheiro não apita o Benfica porquê? O Manuel Mota não apita o Benfica porquê? O Fábio foi enxovalhado por pessoas próximas do FC Porto nas redes sociais a semana toda e depois foi o que se viu no Dragão."

Voto de confiança a Rui Vitória

Rui Vitória recebeu um voto de confiança inequívoco: "Não há resultado que retire o Rui Vitória deste projecto". E um pouco mais adiante acrescentou: Tem mais três anos de contrato e irá cumpri-los", acrescentou o líder benfiquista sobre o treinador da equipa de futebol que há sete meses renovou até 2020.

O presidente dos "encarnados" abordou ainda a política de contratações e vendas de jogadores. "A equipa, tirando três jogadores, é a mesma equipa do ano passado. No que diz respeito ao Ederson, temos uma parceria com o Rio Ave e nunca iria enganar o Rio Ave. Havia uma oferta clara para o Ederson e tivemos que vender. Quanto ao Nelson Semedo não podíamos travar a ambição do Nelson. Sobre o Lindelöf, há muito tempo que podia ter saído e não podíamos travar mais essa saída", começou por afirmar.

Já sobre contratações, o líder "encarnado" mostrou confiança em Svilar. "Desde os 15 anos que seguíamos este guarda-redes. O Benfica já teve uma proposta para o Svilar de quatro vezes o que ele custou e ainda ficava dois anos no Benfica."

Vieira reconheceu que Pedro Pereira era o homem pensado para substituir Nelson Semedo. "Infelizmente para ele a pré-época não foi a melhor", admitiu.

Quanto ao defesa central, Vieira reconheceu que Garay esteve perto do regresso à Luz. Mas ripostou. "Se tivesse vindo onde estava agora o Rúben Dias? Estaria na equipa B. E hoje diz-se que não se pode vender o Rúben Dias. Um dia, o Rúben será capitão do Benfica."

Sobre a estratégia futura, a formação voltou a ser um lema. "Não pensem em grandes aventuras e reforços. As alterações a fazer no Benfica serão com a formação do Benfica. É por ali que passa o futuro do Benfica e que podemos voltar a ter o sonho de sermos campeão europeu. É difícil hoje um jogador jovem sair do Benfica. 70 ou 80% dos jogadores [da equipa principal] terão que sair do Seixal", declarou.

E revelou ainda que tentou "tudo" para fazer João Cancelo regressar ao Benfica.

Resultados positivos "todos os anos"

O capítulo financeiro também foi abordado. Afirmando que "todos os anos quer apresentar resultados positivos", Filipe Vieira explicou que o clube não recebe a totalidade do montante da transferência. "O Benfica vende por 30 milhões e não recebe 30 milhões. Recebemos ao longo de dois anos ou três. É natural que numa situação destas o activo sobe e o passivo reduz pouco", começou por afirmar.

O presidente das "águias" frisou ainda a necessidade de manter as contas equilibradas. "Para sermos um grande clube temos que ter contas saudáveis. Libertar o Benfica da dívida financeira no mercado português. Iremos trabalhar com empréstimos obrigacionistas. O Benfica nunca fez antecipação de receitas. No dia em que isso acontecer será para pagar dívida. Queremos trazer a dívida para os 150 milhões de euros e a dívida actual deve situar-se nos 270 milhões", explicou.

Sobre a influência de Jorge Mendes na Luz, Filipe Vieira voltou a mostrar a sua satisfação com aquilo que designa de "parceria" com o empresário de jogadores. "O Jorge Mendes não é comissionista do Benfica. Passou a ser parceiro. Há um contrato assinado e, normalmente, o Benfica paga 10%. É que há um trabalho exploratório para os clubes chegarem ao Benfica. É uma parceria que é para continuar."

Sucessão na presidência

O tema surgiu logo no início da entrevista e foi uma das revelações mais interessantes de Vieira. Questionado sobre quem gostaria de ver no seu lugar, o presidente "encarnado" explicou qual a sua ideia. "Não sou eu que irei decidir quem me deve suceder. Acho é que o ideal no Benfica seria um modelo como o anterior. Trabalhei com o Manuel [Vilarinho] durante três anos e quando me tornei presidente estava totalmente documentado e preparado. Vou tentar que quem me vier a suceder seja alguém que tenha estado a trabalhar comigo um mandato."

Modalidades só se se pagarem

Filipe Vieira foi bem claro no que diz respeito ao futuro das modalidades no Benfica. Salientando o desejo de o clube continuar a ser eclético e competitivo, frisou que só será investido o que for possível. Dado que o valor das quotizações do Benfica ascendem aos 15 ou 16 milhões de euros e que uma parte é utilizada para a recuperação dos capitais próprios, só o restante é destinado às modalidades. "O Benfica tem 10/11 milhões de euros de orçamento para as modalidades. Sei que há um clube em Portugal que continua a investir muito nas modalidades. E outro tem uma ou duas modalidades em que aposta. (...) Mas haverá uma altura em que os outros terão que parar para pensar. Mas em qualquer modalidade estamos muito competitivos. Agora uma coisa é certa. O Benfica nunca mais vai por em causa a sua credibilidade."

Sobre o ciclismo, Luís Filipe Vieira revelou que o emblema não deverá voltar à modalidade.

deixe-nos o seu comentário
voltar
em destaque
últimos podcasts
GPS - 20 de Novembro de 2017
Blê Blê Blê - 20 de Novembro de 2017
Pré Visão - 20 de Novembro de 2017
Universo Paralelo - 20 de Novembro de 2017
Entrevistas - 20 de Novembro de 2017
os nossos ouvintes
powered by hojenet © Copyright Rádio Nova 2016 - Todos os direitos reservados