Costa compromete-se a “fazer tudo" para evitar novas tragédias

26 de Dezembro de 2017 | por Público
Costa compromete-se a “fazer tudo

O primeiro-ministro António Costa reafirmou esta segunda-feira, perante os portugueses, o compromisso do Governo de “fazer tudo o que tem de ser feito para prevenir e evitar naquilo, que é humanamente possível, tragédias como a que vivemos” este ano. De que forma? “Melhorando a prevenção, o alerta, o socorro, a capacidade de combater as chamas. Mas, sobretudo, concentrando-nos com persistência no que exige o tempo, mas que é o mais decisivo e estrutural: a revitalização do interior e o reordenamento da floresta”.

Na sua mensagem de Natal ao país, o primeiro-ministro começou por dizer que o ano que agora termina foi “dramaticamente marcado pela perda de vidas humanas em incêndios que enlutaram famílias e devastaram uma grande parte do nosso território. Não esqueceremos nunca a dor e o sofrimento das pessoas, nem o nível de destruição desta catástrofe”.

As duas mais altas figuras do Estado, Presidente da República e primeiro-ministro escolheram o dia de Natal para falar da tragédia dos incêndios. Marcelo Rebelo de Sousa passou parte do dia de Natal em Pedrógão Grande onde apelou para que, nos próximos meses, os portugueses lhe sigam as pisadas: “Na próxima Primavera, no próximo Verão, é importante as pessoas virem [cá]”. Porque “quem cá está sente essa presença”, mas também para ajudar a economia local e recuperar. “Engendrando no próximo ano, já engendrou”, garantiu o Presidente da República.

Já o primeiro-ministro dissertou sobre o tema na sua mensagem do dia de Natal para dizer que o que aconteceu “foi uma tragédia para todo o país. Foi um momento de luto nacional, que sofremos colectivamente”. E daqui partiu para os elogios à “enorme onda de solidariedade” que varreu o país de então para cá. “Não esqueceremos também a coragem, a entreajuda, a enorme onda de solidariedade que crescem em todo o país, mobilizando populações e autarcas; familiares, amigos e vizinhos; bombeiros voluntários e profissionais; militares e civis; forças de segurança; escuteiros; médicos e enfermeiros”, afirmou, acrescentando: “Não esqueceremos a vontade de não desistir, de não abandonar, de reconstruir o que foi destruído, de fazer renascer o que foi devastado”.

Costa não esteve em Pedrógão Grande como Marcelo, mas destacou na sua intervenção as “muitas visitas de trabalho” que tem feito aos concelhos atingidos”, mostrando, assim, a sua preocupação. “Não esqueço as pessoas que em Vila Facaia reencontraram um lar nas suas casas já totalmente reconstruidas, ou em São Joaninho, os voluntários que reconstroem as habitações dos que ainda aguardam regressar às suas casas. Ou em Oliveira de Frades, as empresas de Madeira que, dias depois do incêndio, voltaram a laborar em instalações cedidas por outras empresas. Ou em Castanheira de Pêra, os proprietários da serração destruída que tudo fizeram para continuar a pagar os salários aos seus trabalhadores. Ou em Vila Nova de Poiares e Góis, os pequenos agricultores que lutam para alimentar os animais cujas pastagens arderam. Ou a Pampilhosa da Serra onde a celebração do Natal inspira este tempo de renascer”, declarou.

Para o primeiro-ministro, este tempo é de dar nova vida ao que o fogo consumiu. “É altura de reerguer casas destruídas, de recuperar a capacidade produtivas das empresas atingidas, de devolver o verde aos territórios e a esperança às populações”. Puxando pela auto-estima nacional, António Costa referiu que “em todos os momentos difíceis, provamos colectivamente que somos capazes de nos superar e vencermos a adversidade”. Foi assim – apontou – que “conseguimos virar a página da crise e dia a dia reconstruir a nossa economia, reconquistar a nossa credibilidade internacional e refazer a esperança no nosso futuro”.

Embalado pelos bons resultados, o chefe do Governo referiu que este ano o país vai registar “o maior crescimento económico desde o início do século” (…) e que a descida das taxas de juro evidencia, segundo referiu, que o caminho que “estamos a percorrer é um caminho sólido e sustentável”. A terminar, o primeiro-ministro proclamou que a prioridade do Governo para 2018 é “não apenas mais, mas melhor emprego. Só assim teremos crescimento sustentável”.  

 

deixe-nos o seu comentário
voltar
em destaque
últimos podcasts
Entrevistas - 19 de Janeiro de 2018
GPS - 19 de Janeiro de 2018
Pré Visão - 19 de Janeiro de 2018
Universo Paralelo - 19 de Janeiro de 2018
Blê Blê Blê - 19 de Janeiro de 2018
os nossos ouvintes
powered by hojenet © Copyright Rádio Nova 2016 - Todos os direitos reservados