Santiago é líder no país das Marias. Benedita e Camila ganham terreno

28 de Dezembro de 2017 | por Público
Santiago é líder no país das Marias. Benedita e Camila ganham terreno

Teve uma filha este ano e chamou-lhe Maria? São 5580 os pais que podem responder que sim. Em 2017 foram registadas quase quatro vezes mais meninas com o nome de Maria do que com o nome de Leonor, o segundo na lista dos mais populares, de acordo com os dados provisórios avançados pelo Instituto dos Registos e do Notariado (IRN). Vale uma comparação: o primeiro nome chegou à meta e o segundo não conseguiu chegar a metade da corrida.

Nos meninos, Santiago tem uma liderança cada vez mais sólida: é pelo segundo ano o nome mais escolhido, com Francisco no encalço. João, que no ano passado recuou para 2.º lugar e agora para o 3.º, está oficialmente destronado.

Somos um país de Marias, ponto. A seguir, bem longe, vem Leonor, Matilde, Beatriz, Carolina e Mariana, que têm vindo a trocar de posições nos seis primeiros lugares nos anos recentes. No ano passado, por exemplo, Matilde ocupava o 2.º lugar, que foi de Leonor em 2015. Este ano aparece em 3.º.

Os últimos números do Instituto Nacional de Estatística disponíveis dão conta de 63.783 nascimentos entre Janeiro e Setembro deste ano (menos 6,6% do que no ano passado em igual período). Nascem mais meninos: 32.699. Meninas são cerca de 31 mil. Anas e Sofias? Sim, aparecem no 7.º e 8.º lugares, respectivamente, desta lista de 2017. Francisca e Inês fecham o “top 10” dos nomes mais escolhidos.

No “top 20”, a maior descida é a de Joana, agora em 19.º. A maior subida é a de Clara, em 12.º. Novidade é a entrada de Benedita, nome dado a 621 bebés neste ano, e de Camila, atribuído a 452 meninas. Para trás fica Luana, que desde 2012 era um dos 20 mais populares, e Mara.

No que diz respeito aos rapazes, depois de João e de Rodrigo terem andado a alternar a liderança no novo milénio, Santiago é o nome mais popular, atribuído a 1869 meninos. Uma ascensão galopante. Se em 2012 não constava dos dez primeiros, no ano seguinte já estava no “top 5”. Depois há Afonsos, Rodrigos, Martins, Tomás... A ganhar terreno estão outros, como Dinis, Salvador e Gustavo, uma novidade na lista de 2017. Este ano foi também a altura de Diogo deixar o “top 20” dos favoritos dos pais.

7480 nomes permitidos

Na hora de escolher o nome próprio, a lei portuguesa não dá aos pais liberdade total. Ainda assim, o leque é cada vez mais vasto. É que a partir do momento em que um nome é aceite para um filho de estrangeiros, por exemplo, este passa a fazer parte da lista dos admitidos para cidadãos portugueses. Um exemplo: se uma menina com dupla nacionalidade é registada como Acakarein, esse nome passa a ser elegível para futuros registos. Este é, de resto, um dos que constam da lista exemplificativa do IRN que contém os 7480 nomes que foram admitidos nos últimos três anos (3985 dos quais femininos, como Dejanira, Excel ou Jacymiily, só para dar mais alguns exemplos).

Na prática, a lista é maior e está em constante actualização. Basta que os pais que querem registar a criança com um nome fora do comum requeiram um parecer a um especialista em onomástica, destacado pelo IRN (mas independente dos serviços). Caso seja aprovado, irá engrossar o leque das possibilidades.

A mudança resulta de um despacho do IRN de Junho que tornou mais abrangente o conceito de onomástica nacional. Fruto das alterações à lei que facilitaram a aquisição de nacionalidade portuguesa e do aumento das interacções e casamentos interculturais, “esta lista é muito mais permissiva do que aquilo que era há poucos anos”, sublinha Arménio Maximino, funcionário nos registos e presidente do Sindicato dos Trabalhadores do IRN. “E a tendência vai ser sempre essa, de crescimento da lista, de forma a acompanhar as mudanças sociais.”

Para já, voltemos ao país das Marias. Hoje a liderança é consolidada, mas o regresso à hegemonia das Marias é recente. Durante mais de duas décadas, nos anos 80 e 90, as creches e escolas encheram-se de Anas, nome que só deixou de ser o mais comum há 12 anos. Desde então tem sobrevivido, como Inês e Mariana, à passagem do tempo e das modas. Outros populares nos anos 90 não tiveram a mesma sorte: nomes como Catarina, Diana, Daniela, Joana e Sara perderam terreno para as Matildes, Leonores, Carolinas e Beatrizes.

O mesmo se passou nos nomes masculinos. Foi em 2013 que José saiu do “top 20”, quando ganharam popularidade nomes como Lucas, Gustavo, Guilherme e Santiago. Longe vão os anos 70, quando os meninos respondiam essencialmente por José, Manuel e António — já nenhum destes consta no ranking dos 20 primeiros.

deixe-nos o seu comentário
voltar
em destaque
últimos podcasts
Entrevistas - 17 de Janeiro de 2018
GPS - 17 de Janeiro de 2018
Universo Paralelo - 17 de Janeiro de 2018
Blê Blê Blê - 17 de Janeiro de 2018
Pré Visão - 17 de Janeiro de 2018
os nossos ouvintes
powered by hojenet © Copyright Rádio Nova 2016 - Todos os direitos reservados