Não foi preciso muito Benfica para adiar o título do FC Porto

15 de Julho de 2020 | por Público
Não foi preciso muito Benfica para adiar o título do FC Porto

O Benfica garantiu, nesta terça-feira, que 14 de Julho não é dia de celebração para o FC Porto. Com o triunfo frente ao Vitória de Guimarães, por 2-0, no Estádio da Luz, os “encarnados” reduzem para cinco pontos a desvantagem para o líder da I Liga, que, para ser campeão nacional, terá de pontuar frente ao Sporting, nesta quarta-feira. Já os minhotos perdem terreno que pode ser irrecuperável na luta pela Europa – estão a seis pontos do Famalicão. Foi um triunfo lisboeta que não teve uma base lógica clara – e os números não expressam o que se passou no relvado –, mas penalizam um Vitória já habituado a sofrer pela ineficácia.

Para a primeira parte, o “autor” escreveu um guião já muito visto no futebol. Oportunidades de golo mais óbvias para uma equipa, golo para a outra. O Vitória surgiu em campo com um bloco médio-baixo, sem pressionar a primeira fase de construção “encarnada”, mas “abafando” rapidamente quando a bola entrava nos médios do Benfica. E foi por essa via que recuperou inúmeras bolas na zona do meio-campo, frente a uma equipa muito balanceada para o ataque.

Esta combinação de factores colocou os minhotos em transições ofensivas permanentes – com Edwards em destaque –, deixando o Benfica em dificuldades: ou havia ataque perigoso ou falta do Benfica. A propósito: Weigl, muito faltoso, saiu aos 33’, já com amarelo (que poderiam ter sido dois ou três). Entrou Florentino, que não jogava desde Fevereiro.

O Benfica foi lento e previsível e, sobretudo, com pouco movimento. Gabriel e Weigl foram permanentemente obrigados a contemporizar e circular por trás, sem soluções verticais.

A primeira oportunidade foi do Benfica, é certo – Chiquinho rematou por cima em boa posição, aos 7’ –, mas a seguir só deu Vitória: Edwards finalizou uma transição com um remate à trave aos 19’ (Nuno Tavares colocou mal os apoios em posição defensiva), Bruno Duarte rematou acrobaticamente para uma grande defesa de Odysseas aos 23’ e o grego ainda salvou outra bola junto à linha de baliza, aos 28’, depois de mais um erro de Tavares. A ineficácia voltou a trair os minhotos, como tantas vezes nesta temporada.

Aos 37’, o Benfica chegou ao golo da única forma que parecia possível: atabalhoadamente. Cervi ganhou uma bola no chão, na luta, e isso desequilibrou um Vitória que, pela primeira vez, deu espaço a Tavares para fazer os seus famosos cruzamentos. E Chiquinho finalizou com qualidade.

A vantagem “encarnada” não encaixava nas peripécias do jogo, mas penalizou quem não teve engenho na finalização. E o Benfica estabilizou com bola, nesta fase. Com o golo ou com a entrada de Florentino. Ou até devido a ambas as coisas.

Após o intervalo, assistiu-se a cerca de meia hora de… quase nada. E o pouco que houve apareceu na forma de faltas (foram 22) e passes errados. Dos 45’ aos 73’ apenas há a contar uma boa jogada do Benfica com remate de Gabriel. Depois, só aos 73’ algo se passou, quando André André decidiu rematar de fora da área e Venâncio, logo a seguir, conseguiu cabecear por cima, num canto.

E foi nesta fase que o Vitória tomou o controlo do jogo, sobretudo após a entrada de Pêpê, que deu clarividência e soluções à construção. Mas apenas com domínio territorial, sem ter propriamente oportunidades de golo. Essa teve-a primeiro Seferovic, que quase marcou num “chapéu” a Douglas, antes de um golo anulado ao Vitória num lance de bola parada (algo já trivial neste Benfica).

Aos 87’, Seferovic “matou” o jogo. Rafa teve tempo e espaço para cruzar e o suíço finalizou bem, perante um Vitória pouco pressionante. A partida foi inclinada, novamente, pela eficácia “encarnada”, depois de uns segundos 45 minutos de pouco futebol de um lado e do outro.

deixe-nos o seu comentário
voltar
em destaque
últimos podcasts
Blê Blê Blê - 12 de Agosto de 2020
Boi com Abóbora - 12 de Agosto de 2020
Pré Visão - 12 de Agosto de 2020
GPS - 12 de Agosto de 2020
Blê Blê Blê - 11 de Agosto de 2020
os nossos ouvintes
powered by hojenet © Copyright Rádio Nova 2016 - Todos os direitos reservados