Despesa em investigação e desenvolvimento aumentou 218ME em 2019

12 de Agosto de 2020 | por Lusa
Despesa em investigação e desenvolvimento aumentou 218ME em 2019

A despesa em Portugal em investigação e desenvolvimento (I&D) aumentou, no ano passado, 218 milhões de euros, para 2.987 milhões de euros, representando 1,41% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo dados oficiais hoje divulgados.

Os dados, provisórios, constam do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional de 2019 e foram divulgados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior em comunicado, que realça o "novo máximo histórico" alcançado, ao ser ultrapassado o investimento feito em 2009, de 2.771 milhões de euros.

Em 2018, a despesa (pública e privada) em I&D tinha aumentado 184 milhões de euros, para 2.769 milhões de euros, representando 1,36 % do PIB.

O Governo estabeleceu para Portugal a meta de chegar em 2030 aos 3% do PIB em gastos com investigação e desenvolvimento, para aproximar o país da Europa.

Pelo segundo ano consecutivo, a despesa privada (que inclui a das empresas) superou, em 2019, a pública (Estado e instituições de ensino superior), representado 53% do investimento total em I&D, assinala uma nota informativa da tutela.

No ano passado, a despesa das empresas em I&D cresceu cerca de 145 milhões, para 1.569 milhões de euros, face a 2018, ao passo que a das instituições de ensino superior (universidades e institutos politécnicos) aumentou 56,23 milhões, para 1.209 milhões de euros.

Em 2019, as empresas tinham 19.283 investigadores a tempo integral, o equivalente a 38% do universo total em Portugal (a maioria dos cientistas, 29.027, continuava ainda no ensino superior e 1.591 no setor do Estado).

Segundo o ministério, o número de investigadores nas empresas aumentou mais de 60% nos últimos quatro anos, com a subida da despesa privada em I&D a refletir "o crescimento do emprego qualificado nas empresas e o esforço do setor privado em acompanhar o desenvolvimento científico e a capacidade tecnológica instalada em Portugal".

Apesar destes indicadores, a comissão de avaliação da execução do emprego científico, nomeada pelo ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, defendeu, num relatório divulgado em julho, que a integração de doutorados nas empresas "não tem sido bem-sucedida", salvo "algumas exceções", propondo o lançamento de um programa que incentive essa integração, com os doutorados a passarem por um "período de aprendizagem" dividido entre empresas e instituições científicas antes de ingressarem nas empresas.

Em termos globais, de acordo com a tutela, o número de cientistas (abrangendo os que trabalham em empresas, laboratórios do Estado e universidades) aumentou em 2019 para 9,6 por cada mil habitantes ativos (em 2018 eram 9,1).

Ao todo, a tempo integral, foram registados no ano passado 50.431 investigadores, mais 2.779 do que em 2018 e mais 11.759 do que em 2015.

O Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, da responsabilidade da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, é a base de informação oficial sobre os recursos humanos e financeiros afetos a atividades de investigação e desenvolvimento.

Em 2007, os dados passaram a ser publicados anualmente, rompendo a periodicidade bienal que havia desde 1982.

deixe-nos o seu comentário
voltar
em destaque
últimos podcasts
A Bola é nossa - 29 de Setembro de 2020
Blê Blê Blê - 29 de Setembro de 2020
Pré Visão - 29 de Setembro de 2020
Universo Paralelo - 29 de Setembro de 2020
Boi com Abóbora - 29 de Setembro de 2020
os nossos ouvintes
powered by hojenet © Copyright Rádio Nova 2016 - Todos os direitos reservados